A perda

26 de janeiro de 2011 § 1 comentário

A pior parte de perder o trem, não é a perda em si: É vê-lo ir embora sem poder fazer nada, o sentimento de impotência, o prejuízo, a frustração dos planos.

Viu todas as economias para tal viagem se esvaindo por um segundo, um segundo!

Foi aquele segundo que ficou a mais, sentado no sofá, pensando em algo que já havia passado, ou no que ainda nem ainda existia senão na sua imaginação?

Foi aquele copo com água a mais que resolveu tomar, pois, estava tão geladinha?

Foi aquele minuto a mais que resolveu dormir?

O que é que foi?

Disseram para não ficar se questionando sobre qual erro cometera, era inútil.
Entretanto, não conseguia parar de debater-se, de confrontar-se, de deixar de dormir por horas pura e simplesmente questionando o que havia feito de errado.

O erro foi ter visto o trem ir embora, se não o tivesse visto, ficaria a dúvida, a indiferença, enfim, um problema bem menor.

Repito: A pior parte de perder o trem é vê-lo ir embora e não poder fazer nada.

Anúncios

Ausência

24 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Cadê o pasto?

A vaca comeu.

E a vaca?

Foi-se embora.

Jamais houvera pasto, nem vaca. Só ausência.

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com sentimentais em Ítalo Chesley.