Fim

25 de janeiro de 2011 § Deixe um comentário

Não é como o início que a gente quase não vê,
Passa tão depressa,
Se torna intenso,
E na primeira briga,
Torna-se o meio,

Não é como o meio
Meio indiferente
Meio estranho
Meio inconstante
E a gente quase que não aproveita

É como o Fim
Amargo, sincero, completo
Passa devagar, como as últimas horas de trabalho de sexta feira
Desenha-se ao horizonte como um dia anuviado
Lentamente, tão claro, tão perfeito em sua angústia
Deixa cada marca, e vai-se embora deixando-nos só

Música para acompanhar o post:
A vida não presta
Grato pela leitura.

Boa sorte!

Estória

13 de dezembro de 2009 § Deixe um comentário

    Meu professor de redação no terceiro ano – o único bom que tive até agora, sem puxação de saco – disse que fazer perguntas retóricas, é considerado um pecado, quando estamos escrevendo uma redação. Mestre me perdoe, por favor, mas vou fazê-la: Quem é capaz de contar uma Estória? E de viver uma?
    Aqui, eu uso a palavra Estória para descrever mais do que apenas um folclore, mas sim, algo que você sonha e, apesar de ser tão alto, é alcançável. Quem é capaz de correr atrás daquilo que quer e dia-a-dia reafirmar pra você mesmo o quanto o espera?
    Quem é capaz de dar asas a imaginação, e fazer acontecer, nem que seja apenas nos planos, uma movimentação que é capaz de fazê-lo transpor as tristezas do dia-a-dia e viver algo melhor que talvez não exista, mas, pra você existe. Só mais uma pergunta retórica: Quantos mundos têm no mundo? Essa é uma indagação que carrego em meu peito há muito tempo e aqui se improvisa e incompleta para que o nobre leitor possa interrogar-se a respeito dessa verdade, ou mentira que seja. A palavra não importa e sim o sentido que ela faz.A Estória é capaz de mudar sua História? Se sim, então comece a escrevê-la logo!


Atenciosamente,

Ítalo Chesley

O dia-a-dia

16 de abril de 2009 § Deixe um comentário

Dia-a-dia é o ato de viver cada dia de uma vez e contar cada fato que acontece neles, não apenas pra saber quantos fatos aconteceram e sim, pra saber, sobretudo, o que você fez e até mesmo o que deveria ter feito neles.Todos os dias quando estou vindo para casa almoçar, por volta das onze e vinte e cinco da manhã, eu vejo um senhor sentado numa cadeira de rodas, cujas únicas palavras destinadas a mim diariamente são: “E ae jovem, tudo bem?”.E as minhas pra ele: Sim, e o senhor? Ele sempre diz, Bem!
O que eu mais quero saber, é como o dia-a-dia daquele senhor acontece e porque eu vejo na vida dele, mesmo sem conhecê-la tantas lições para a minha.Não vejo depressão ou tristeza em seus olhos, nem suas palavras são ásperas, embora ele passe seus dias naquela cadeira de rodas. Como eu estou contando meu dia-a-dia, e você, como está contanto o seu?

Por Ítalo Chesley

a Canção

3 de abril de 2009 § 2 Comentários

Você já ouviu uma música e depois ao escutar a mesma música, transformou-a na sua canção? Na “nossa” canção?
Algo que era apenas uma junção de palavras bonitinhas, notas bem arranjadas e uma bela voz agora faz parte da sua história.Aquela música que te lembra certo alguém, aquele fato, aquela época remota.
A música se torna uma canção.Seus acordes começam a ressoar novos timbres, novos tempos, novos momentos com os momentos velhos. Uma nostalgia gostosa que começa a folhear as páginas da história guardada na memória e nos faz parar por alguns segundos sem preocupar com mais nada. É essa canção e a diferença que ela faz, que dá a ela o título de canção. Canção é a “nossa” música.É aquela com os acordes meio sujos no violão, os dedos trêmulos, a voz esquiva, o pensamento flutuante.Aquela que te leva as alturas sem te tirar do chão.É ela!
Encontre a sua canção, guarde-a e a faça render-lhe boas lembranças.

Beleza

26 de março de 2009 § 2 Comentários

Pra quê serve a beleza? Pra quem a beleza serve? O que é a beleza? Mas, que beleza de texto, que beleza de pergunta, que beleza de mulher. Não acha?
Ah, será a beleza aquela que nós vemos nas propagandas de cerveja? Não, não vemos essa beleza nos bares onde os homens bebem suas cervejas.Então não é ela. A beleza está nas passarelas, desenhada em corpos de modelos. Em suas roupas desenhadas, estampadas, bem cortadas, imaginadas, sonhadas, viajadas, queimadas, destruídas, abandonadas.
A beleza tem lá seu lugar, mas seu lugar não é só lá.Não é só onde você a vê.
Não é só dentro daquela caixa maluca com uma antena em cima. Não é só dentro do guarda roupas todo bagunçado, não é só na passarela ou na novela.Meu (minha) senhor(senhora) a beleza está dentro de você, e se está dentro, está fora.
Se só está fora, não está.
Onde está a beleza em você?

Por Ítalo Chesley
Contato: italochesley@hotmail.com
Site Pessoal: http://italochesley.roxer.com

O Abraço

22 de março de 2009 § 1 comentário

É bom falar do poder que tem o abraço, mas, é ainda melhor experimentar pessoalmente esse poder, e exercê-lo para consolar, ajudar, melhor a vida de alguém.
Nenhum outro gesto é tão versátil quanto o abraço.Quantas pessoas nunca deram um abraço? Acho que nenhuma.Tenho certeza.
“O velório começou a uma hora e o corpo ainda não chegou”. São essas as palavras que antecedem o abraço do consolo na perda de alguém querido. Um abraço é capaz de cessar o choro de uma criança que se sente triste, pirracenta ou eufórica com algo.Ele chega como se soassem, dos lábios da mãe as palavras: Está tudo bem meu filho.
Um abraço é sempre o fruto da troca de perdão num relacionamento romântico. Trocam-se os beijos nos lábios pela sinceridade de um bom e apertado abraço, e tudo fica bem.
Quantas vezes você não quis um abraço e não tinha ninguém pra dar ? Quantos abraços você já ganhou que te salvaram o dia?Quantos últimos abraços você já deu e aquele alguém se foi pra talvez jamais voltar?Quantas oportunidades mais você terá de abraçar alguém?
Não perca as oportunidades que você tem e faça algo inesquecível pra você e outro alguém através de um abraço.

Onde estou?

Você está navegando atualmente a Alfabeto categoria em Ítalo Chesley.